RSS

BRASIL O PAÍS DA IMPUNIDADE E DA CORRUPÇÃO!

19 set

MENSALÃOHoje o país amanhece na certeza que o crime compensa. Estamos: Abalados, abatidos, agitados, agoniados, amargurados, angustiados, desanimados, ansiosos, apáticos, apreensivos, nervosos, incapazes, chateados, inconformados, confusos, constrangidos, descrentes, decepcionados, derrotados, desapontados, desconfiados, desgastados, desiludidos, emburrados, enganados, esgotados, espantados, desestabilizados, estarrecidos, estressados, frustrados, horrorizados, humilhados, incrédulos, injustiçados, insatisfeitos, irados, irritados, magoados, enojados, revoltados, tristes, envergonhados. Doze bandidos condenados pelos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Recebem o benefício da Suprema Corte e o processo do Mensalão (dos 40 envolvidos 25 foram condenados e 15 absolvidos) vai ser reaberto. São esses os bandidos que terão direito a um novo julgamento: Nove condenados por formação de quadrilha: José Dirceu (Ex-ministro da Casa Civil do primeiro mandato do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, José Dirceu, apontado como o comandante do mensalão, foi condenado por formação de quadrilha e corrupção ativa pela compra de votos de parlamentares), José Genoíno (O ex-presidente do PT José Genoíno foi condenado por formação de quadrilha e corrupção ativa pela compra de votos de parlamentares.), Delúbio Soares (O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares foi condenado por formação de quadrilha e corrupção ativa pela compra de votos de parlamentares.), Marcos Valério (O empresário e publicitário, apontado como o operador do mensalão, foi condenado por corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e evasão de divisas. Os crimes estão ligados aos contratos de suas empresas (DNA, SMP&B e Grafitti) com o Banco do Brasil e a Câmara, além dos empréstimos fraudulentos junto ao Banco Rural e dos saques realizados de forma a esconder os verdadeiros beneficiários dos valores.) Ramon Hollerbach (Condenado por corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e evasão de divisas. Foi acusado de participar da negociação dos empréstimos e dos contratos de Valério com o Banco do Brasil e a Câmara dos Deputados.), Cristiano Paz (Paz foi condenado por corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Ele foi inocentado de evasão de divisas. Teria atuado junto com Valério e enviado de forma ilícita dinheiro para a conta bancária criada no exterior pelo publicitário Duda Mendonça. Seria também um dos responsáveis por fazer pagamentos aos parlamentares.) , Simone Vasconcelos (A ex-gerente da empresa de Marcos Valério foi condenada por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, corrupção ativa e evasão de divisas). Ela teria enviado de forma ilícita dinheiro para a conta bancária criada no exterior pelo publicitário Duda Mendonça. Seria ainda uma das responsáveis por fazer pagamentos aos parlamentares da base aliada.) –cuja pena por formação de quadrilha já prescreveu–, Kátia Rabello (A ex-presidente do Banco Rural é condenada por lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, formação de quadrilha e evasão de divisas. Ela teria usado o cargo para conceder empréstimos sem as garantias exigidas. Teria sido uma das responsáveis por ordenar depósitos em conta no exterior criada por Duda Mendonça. Junto a outros três réus do banco, é acusada de ter disponibilizado ao esquema do mensalão a quantia de R$ 32 milhões.) e José Roberto Salgado (O ex-vice-presidente operacional do Banco Rural é condenado por lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, formação de quadrilha e evasão de divisas. Ele teria usado o cargo para conceder empréstimos sem as garantias exigidas. Teria sido um dos responsáveis por ordenar depósitos em conta no exterior criada pelo publicitário Duda Mendonça. Junto a outros três réus, é acusado de ter disponibilizado ao esquema do mensalão a quantia de R$ 32 milhões.). E outros três condenados por lavagem de dinheiro: João Paulo Cunha (O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) foi condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato (uso de cargo público para prática de desvios). Ele mandou a mulher sacar R$ 50 mil na agência do Banco Rural, dinheiro que, segundo os ministros, foi pago como propina pelo empresário Marcos Valério. Por conta da condenação, o deputado desistiu da sua candidatura à Prefeitura de Osasco (Grande São Paulo). João Cláudio Genú (Ex-assessor do PP na Câmara, Genú foi condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Ele teria sido beneficiado pelo esquema entre o Banco Rural e a empresa SMP&B, de Valério. Seria o responsável por intermediar pagamentos a deputados do PP. Junto a eles, teria recebido cerca de R$ 4 milhões de propina.) e Breno Fischberg (Ex-sócio de Quadrado na corretora Bônus-Banval, foi condenado pelo STF por lavagem de dinheiro e absolvido da acusação de formação de quadrilha.). Os ministros da Suprema Corte que votaram a favor do benefício aos bandidos foram: Roberto Barroso, Teori Zavascki, Dias Toffoli, Lewandowski, e o decano Celso de Mello responsável pelo desempate. Os que votaram contra o benefício Luiz Fux, Carmen Lucia, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello. Resultado final: Cinco votos contra e seis votos a favor. Se o Supremo Tribunal não der um basta, não for capaz de parar o PT, ninguém mais para. Ou a gente acaba com o PT e seus bandidos ou eles acabam de vez com o Brasil. Não temos outra escolha, não temos outra saída.

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19/09/2013 em Protestando !!!

 

Obrigado, pelo comentário. Após mediação ele será publicado. Volte sempre !!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: